quarta-feira, 31 de dezembro de 2008

Mingau de aveia com banana

Descobri a aveia recentemente. Na verdade, eu já havia feito algumas experiências com ela antes, mas nunca me caía bem. Com a descoberta da sensibilidade à lactose resolvi tentar novamente, desta vez sem o leite comum, e passei a gostar muito.

Este é um mingauzinho inofensivo e muito rápido, ideal para o café da manhã em momentos de pressa - ou preguiça, como no meu caso.

Coloco numa panelinha uma xícara (230 ml) de leite (eu uso o com baixa lactose ou o de soja), 2 colheres de sopa cheias de aveia em flocos finos e 8 gotas de adoçante (eu uso o Stevita, não fica muito doce, se vc é formiguinha coloque mais). À parte, amasso uma banana e reservo.

Levo a panelinha ao fogo alto, mexendo sempre até engrossar. É bem rápido. Então junto a banana e um pouco de canela, misturo bem e está pronto!!

segunda-feira, 29 de dezembro de 2008

Creme de tapioca com coulis de amoras

Três primeiras vezes aqui: É a primeira vez que faço (ou como) creme de tapioca, a primeira vez que faço (ou como) coulis e a primeira vez que uso as tacinhas lindas que comprei esses dias.

E o mais importante: além de linda, a sobremesa ficou perigosamente boa!

A receita da tapioca eu tirei daqui, mas a minha não ficou igual à dela. Acho que devia ter tirado um pouco antes do fogo, pois ela ficou um pouco mais consistente - o que, aliás, não prejudicou em nada!

Traduzindo:

Pudim de tapioca

Ingredientes:
1/3 xícara de tapioca
1 xícara de água
1/2 xícaras de açúcar
4 xícaras de leite
2 ovos
2 colheres de chá de baunilha

Preparo:
Deixe a tapioca de molho na água por 60 minutos. Junte o leite, o açúcar e os ovos. Reserve por 30 a 60 minutos. Leve ao fogo até ferver mexendo com frequência com um batedor de arame. Tire do fogo e reserve por 60 minutos sem mexer. Cubra com filme plástico diretamente na superfície (para não formar película) e leve à geladeira até a hora de servir. Rende um monte!

O que fiz diferente:
Mexi com uma colher de plástico mesmo, fiquei com medo por causa do teflon. Quando tirei do fogo não sabia se colocava direto no prato de servir, então deixei na panela mesmo.

Percebi que não tinha indicação de quando entrava a baunilha, então coloquei no final mesmo, depois de desligado o fogo.

Formou a tal da película (era uma camada grossinha, mesmo). Depois que esfriou eu tirei da panela e joguei fora a película/camada, coloquei no prato de servir e levei à geladeira.

Meu erro fatal:
Como ia receber visitas, dobrei a receita. Foi um erro. Conforme indicado (a gente nunca acredita nessas coisas...), a receita rende, sim, um monte. E, na minha loucura, não lembrei que já havia outra sobremesa pronta, ou seja, era realmente demais. Agora só me resta presentear meus avós, que moram aqui pertinho!

* Minha idéia inicial era servir simples assim, só com canela, mas as amoras na geladeira sem destino certo me fizeram mudar de idéia. Ainda bem, pois achei a tapioca simples meio sem graça (sim, eu sei, que sacrilégio, mas gosto não se discute, se lamenta).

O coulis tirei daqui. Não conhecia esse blog ainda, e achei super fofo.

Ingredientes:
250g de amoras
50g de açúcar

Preparo:
Como a Larissa mesma diz, a receita manda misturar a amora e o açúcar e levar ao fogo até ferver. Ela fez diferente, mas eu segui a receita - ou quase (hehe).

Adicionei o suco de 1/2 limão e dei aquela esmagadinha básica nas amoras, no fogo mesmo, mexendo sempre. Ferveu, deixei mais uns segundinhos (pra ver se ia engrossar ou coisa do gênero - se engrossou, foi bem pouquinho, nem percebi) e desliguei o fogo.

Deixei esfriar e servi por cima da tapioca, na tacinha nova.

Não ficou linda?

sexta-feira, 26 de dezembro de 2008

Creme de brócolis nada light

Eu tinha, em algum lugar do passado, a receita de um creme de brócolis delicioso. E, como eu já tinha na geladeira um buquê de brócolis japonês aferventado, resolvi tentar reproduzi-la.

Devo dizer que o resultado foi ótimo!

Refoguei uma cebola e dois dentes de alho em um fio de óleo até começar a dourar, então juntei os floretes de brócolis e um pouquinho de sal (melhor faltar do que sobrar, certo?). Não me preocupei em deixar muito pequenos, pois iria passar tudo pelo liquidificador depois.

Deixei os brócolis refogando um pouco, e então juntei água suficiente para quase cobrir os floretes (tenho certeza de que a receita original usava algum tipo de caldo). Deixei cozinhando por cerca de 5 minutos, a água reduziu levemente.

Passei para o liquidificador e bati até ficar mais ou menos homogêneo. Também não precisa ser papinha, eu ainda consigo mastigar (hehe). Precisei colocar um pouquinho mais de água, mas como eu gosto bem cremosa foi um pouquinho só!

Juntei duas colheres de sopa de requeijão cremoso e um punhado pequeno de nozes (um restinho do pote, mesmo. Lembro que na receita original eram usadas castanhas do pará, mas eu não tinha), bati novamente e acertei o sal.

Rendeu 2 pratos - é pouco, eu sei. Mas como a draga está viajando e estou sozinha em casa, achei até bom! rs

quarta-feira, 24 de dezembro de 2008

Bolo de Aveia sem foto :(

Mais uma receita copiada na maior cara dura. Quando eu vi esse bolinho no Doces Encontros soube que teria que fazer no mesmo dia, e não me arrependi. Adorei!!

Ingredientes:

1/2 xícara de manteiga
1 xícara de açúcar mascavo
1 xícara de aveia em flocos
1/2 xícara de farinha branca
1/2 xícara de farinha integral
1 colher (chá) de canela
1/2 colher (café) de cardamomo em pó
2 colheres (chá) de fermento em pó
4 ovos
1/4 xícara de leite
1/2 xícara de uvas passas passadas na farinha de trigo (opcional - eu usei)

Preparo:

Coloque todos os ingredientes numa vasilha, exceto as passas. Bata bem com uma colher de pau ou na batedeira (bati na mão, por preguiça de lavar os batedores hehe). Junte as uvas e misture.
Coloque a massa numa forma de 20 cm de diâmetro untada. Asse em forno quente (200ºC) preaquecido, por uns 35 minutos (aqui ficou um pouco mais, talvez uns 45 min), ou até que enfiando um palito no meio, este saia limpo. Desenforme ainda quente, ou corte e sirva com uma colher de sopa de mel sobre o pedaço.

* A única alteração que fiz foi não servir com a colher de mel. Achei ele doce na medida perfeita. Mas confesso que dois dias depois, quando esquentei uma fatia rapidamente no microondas e servi com uma bola de sorvete sabor Ouro Branco, o resultado foi estupendo! rs

* Pena que não sobrou pra foto... hehe... ando com preguiça de fotografar as coisas, pode uma coisa dessas? Mas como eu certamente vou fazer esse bolo novamente, posto da próxima vez! rs

segunda-feira, 22 de dezembro de 2008

Trio de berinjela, tomate e cebola

Sim, eu copio na maior cara dura, e ainda mais se for fácil assim! Mas pelo menos dou o crédito! rsrs ;)

Dia desses eu encontrei essa receitinha no Frango com Banana e soube na hora que precisaria reproduzi-la. Minhas alterações foram poucas, e mais porque eu esqueci de uns passinhos (hehe é a minha cara). Mas ficou absolutamente deliciosa!! Eu tinha certeza de que a berinjela ia ficar esponjosa, mas estava redondamente enganada.

O único problema é que, mesmo fazendo uma só receita (que nem é grande!), acabei comendo o mesmo prato três vezes! rsrs

Passo a receita original e indico as pequenas alterações que fiz.


Trio de berinjela, tomate e cebola

Ingredientes:
- 1 berinjela média
- 2 cebolas médias
- 2 a 3 tomates (usei só 2)
- azeite
- 200 gr de queijo parmesão ralado (usei menos)
- orégano (usei manjericão fresco)
- sal a gosto

Preparo:
Corte a berinjela em rodelas com aproximadamente dois centímetros (fiquei com medo de ficar borrachenta e cortei um pouquinho mais fina, 1,5 cm) e a cebola e o tomate em rodelas um pouco mais finas, 1,5 cm (também deixei menores). Passe um pouco de sal com o dedo no lado de cima da berinjela, regue com um fio de azeite, salpique orégano (usei só manjericão e entre as duas últimas camadas) e coloque um pouco de queijo parmesão (coloquei só por cima da última camada). Em cima da berinjela coloque a cebola e, em cima da cebola, o tomate, repetindo o procedimento com o sal, fio de azeite, orégano e queijo ralado. No tomate coloque um pouco mais de sal e capriche no queijo (o dobro), finalizando assim a montagem. Leve ao forno baixo em uma assadeira por aproximadamente 30 minutos ou até ficar douradinho. Antes de servir regue com azeite (não fiz).

segunda-feira, 15 de dezembro de 2008

Sim, eu sou uma desmiolada.

Eu sei que já mencionei aqui que tenho um parafuso a menos. E tenho certeza de que alguém aí não deve ter acreditado.

Agora sei que todos serão convencidos.

Umas duas semanas atrás eu estava com uns morangos na geladeira e precisava dar cabo deles, então resolvi fazer uma tortinha.

Escolhi cuidadosamente uma receita na internet e a alterei levemente, pois ela só pedia gelatina de morango e nada da própria fruta.

Ao invés de fazer a base padrão que sempre faço para tortas (biscoito maizena e manteiga), resolvi tentar usar biscoito Chocooky, reduzindo a quantidade de manteiga. Não foi a melhor idéia que já tive, mas também não foi a pior. A base ficou gostosa, mas facilmente quebradiça e com o tempo começou a ficar úmida.

Na hora de fazer o recheio, como eu disse, acrescentei morangos que a receita não pedia.

O resultado foi muito bom, a torta ficou uma delícia, tirei a foto e ficou bonita também.

Então, qual é o problema?

Well... Eu não me lembro da receita. Não, não lembro o que coloquei naquela gosma rosada gostosa que ficou em cima da base. Se a retardada aqui tivesse anotado no dia, não teria esse problema, mas não, tinha que deixar pra depois.

Bom, taí o depois. Não achei a receita. Passei horas procurando na internet, em trocentos sites, até no histórico do navegador.

Adiantou?

Não.

Bom, deixo a foto, junto com a lembrança de que minha memória é RAM (desligou, apaga mesmo). Se eu algum dia lembrar da receita, ou encontrá-la por acidente (não, não vou mais procurar, oras! Larguei o corpo!) eu posto por aqui. Caso contrário, fica a lição...

:s

segunda-feira, 8 de dezembro de 2008

Peito de frango ao molho de mostarda

Decididamente, eu tenho um parafuso a menos.

Quando vi a receita do Frango com Molho de Mostarda ao Porto que a Laurinha postou fiquei logo na fissura para reproduzi-la, e demorei alguns dias mas finalmente consegui me programar para fazê-la. Fiz minhas adaptações, é claro, pois não uso álcool aqui em casa e também fiquei na preguiça de preparar o caldo de frango (é, realmente, nem o de tabletinho rolou). Mas tudo bem, não tem problema. A questão é que, depois de preparar o prato eu dou a primeira garfada e me lembro: "Peraí, mas eu nem gosto de mostarda!".

Como eu disse, um parafuso a menos.

No final das contas, a mostarda nem estava forte e eu acabei gostando bastante do prato mesmo assim. O episódio serviu, mesmo, pra eu aprender a prestar atenção no que está escrito e não me deixar seduzir pela foto do prato. hehehe

Peito de frango ao molho de mostarda

Para 1/2 kg de peito (olha eu comendo a mesma coisa a semana inteira) usei um fio de azeite, no qual refoguei o frango cortado em pedacinhos. Salguei na panela mesmo e me arrependi de ter usado só sal, devia ter usado algum tempero completo.

Quando o frango já estava cozidinho achei por bem colocar uns temperinhos - fiquei com medo de ficar meio sem graça, já que tudo o que faço leva alho ou cebola (ou os dois rsrs) - , então coloquei uma colher de chá de alho granulado e duas de cebola em flocos (olha, não fez nem cócegas...).

Refoguei rapidamente e juntei então 1 xícara de água quente, 1 caixinha de creme de leite de soja, 2 colheres de sopa de mostarda escura (era a que eu tinha), 2 colheres de sopa de mostarda em grãos amarela e um pouco mais de sal.

Fervi por uns 2 ou 3 minutos e servi.

Conclusão: Devia ter usado o caldo de frango, com certeza, nem que fosse o de tabletinho (vergonhinha aqui, porque a receita original usa). Ou então refogado uns temperinhos junto com o frango. Ou, quem sabe os dois (hehe). Outra coisa que eu poderia fazer é refogar o frango na manteiga/margarina e não no azeite, acho que dá um gostinho muito bom. Tirando isso, o prato é bem gostoso, muito rápido de fazer, com certeza vou repetir - só que fazendo direito. ;)

sexta-feira, 5 de dezembro de 2008

Meu primeiro selinho!!!

Nossa, como fiquei feliz! Ganhei meu primeiro selinho (quando eu disse isso para o namo ganhei um olhar ameaçador... hahaha... até que pude explicar o que era! hihi)!!

Quem me ofereceu foi a Téia, do Banquetes e Lanchinhos.

E agora, já que sou super novata com selinhos, não sei o que fazer! hahaha

Devo oferecer a outras foodies?? Só se eu quiser? Afinal de contas, como sou uma foodie novata, acho que todas as que eu sigo já devem tê-lo! hihi


Téia, muito obrigada!!! Adorei!!

Refogadinho de cebola e pimentões

Eu adoro meus almoços de improviso, aquela olhada rapidinha na geladeira que diz "Ok, preciso usar tudo isso aqui senão vai fora".

Eu já andava com uns brócolis cozidos na geladeira há quase uma semana. Os pimentões eram novos, eu sei, mas se eu não começo a usar logo sempre tem um pedaço que não dá tempo de comer. E cebola, well, eu adoro cebola.

Refoguei em uma panela com óleo uma cebola média cortada em oitavos. Primeiro no fogo médio-alto, pra dar uma queimadinha mesmo, e depois em fogo baixo, pra cozinhar, mexendo de vez em quando. Quando ela já estava douradinha acrescentei os pimentões: cerca de 1/3 de cada (um vermelho e um amarelo). Continuei mexendo de vez em quando e quando os pimentões já estavam meio refogadinhos também acrescentei os floretes de brócolis. Eram uns 4 grandes, que cortei antes de acrescentar.

Aqui entra uma observação importante: Tanto a cebola quanto os pimentões podem ficar muito, mas muito tempo cozinhando. Demora a queimar se o fogo for baixo, e eles caramelizam antes. É nesse ponto que eles ficam docinhos - e é assim que eu adoro! Então, depois que coloquei os floretes de brócolis, eu podia refogar o quanto quisesse, pois certamente a cebola e os pimentões não iriam queimar antes deles. Ou seja: meu termômetro foi, sim, o brócolis. Quando achei que ele já estava pronto, salguei, mexi mais um pouco e tirei do fogo.

Virei da panela direto no meu prato e ataquei. Só lá pela metade da refeição é que lembrei de tirar a foto, por isso perdoem a leve falta de ingredientes no prato... hehe

quarta-feira, 3 de dezembro de 2008

Dois bolos de cappuccino

Desde que vi a receita do Bolo de Cappuccino do Apok@lypsus, no cantinho da Marta, fiquei com as lombrigas me coçando pra fazer uma versão integral. Só que a draga que mora aqui em casa andava reclamando que de uns tempos pra cá eu só faço coisas integrais e "naturebas", e também ficou de olho na receita. Na original, é claro. rs

Tá bom, eu então resolvi ser boazinha e fazer o bolo para a draga. É claro que provei, e estava uma delícia! Mas eu não podia me acabar nele, portanto já deixei anotadinha a receita da versão... well... quase natureba.

Receita original do Apok@lypsus

Não vou postar a receita do bolo original, o link está ali em cima. Mas a minha variação, preciso dizer, também ficou muito gostosa! Achei até que podia ter aumentado a quantidade do cappuccino, ou então a variedade/quantidade de especiarias. Ficou um bolo delicioso e suave, que não sei se posso chamar de integral pois, apesar de não ter usado farinha ou açúcar brancos, usei ovos e pó de cappuccino tradicional. Ainda não sei o que qualifica um alimento como integral, será que é só a farinha?! hahaha

Mais um detalhe: Como a draga não se aventura nas versões integrais, eu não ia fazer um bolo daquele tamanho só para mim, portanto reduzi a receita para cerca de um terço do tamanho.

Bolo de Cappuccino Integral... ou não!

Ingredientes:
1 colher de sopa cheia de cappuccino em pó
100 ml de leite de soja (ou não)
35 g de margarina em temperatura ambiente
100 g de açúcar mascavo
1 ovo
120 g de farinha de trigo integral fina, mais o suficiente para polvilhar a forma
1 colher de chá de bicarbonato de sódio
1 colher de chá de canela em pó

Preparo:
Pré-aqueça o forno a 180º. Unte uma forma com margarina e polvilhe-a com farinha de trigo integral.
Dissolva o pó de cappuccino no leite. Ele não dissolve totalmente, eu faço o que dá!
Numa tigela, bata bem a margarina com o açúcar mascavo. Demora um pouquinho mas fica cremoso.
Junte a gema do ovo e continue batendo até obter um creme liso.
Adicione então a farinha, o bicarbonato, a mistura de leite com cappuccino e a canela em pó, misturando muito bem.
À parte, bata a clara em neve bem firme e junte-a à massa, misturando delicadamente sem bater.
Coloque a massa na forma preparada e leve ao forno por cerca de 30 minutos (faça o teste do palito).

Minha versão

segunda-feira, 1 de dezembro de 2008

Frango Assado com Laranja e Sálvia

Eu confesso: tenho total e absoluto horror de colocar a mão em carne crua. Na verdade, como não faço muita questão de ter a carne em minha dieta isso nem faz tanta diferença assim, mas nas poucas vezes em que resolvo preparar qualquer carne que não seja moída sempre me deparo com esse probleminha.

Desta vez, consegui fazer tudo sem nem mesmo encostar nela. É claro, a remoção da gordura ficou para depois de pronta, mas eu acho que assim inclusive dá menos trabalho! hehe

Tudo começou quando descongelei a bandeja de carne errada [Aplausos, aplausos. Obrigada.]. Eu planejava fazer uma variação do Frango com Molho de Mostarda ao Porto, da Laurinha, mas já comecei errado! hehe

Tudo bem... vamos improvisar. A bandeja retirada também continha frango, mas eram sobrecoxas ao invés do peito. Como tinha uma outra receita que eu também queria provar (o Frango Assado com Laranja e Sálvia, do As minhas Receitas), segui a ela.

Eu tinha quatro sobrecoxas (só para mim, veja só que gulosa! - malditas bandejas! rs). Coloquei-as em um recipiente e juntei um generoso fio de azeite, o suco de uma laranja, dois dentes de alho ralados, algumas folhas de sálvia rasgadas de qualquer jeito, sal (detesto esta parte, nunca sei quanto sal colocar... um dia aprendo) e uma cebola cortada em oitavos. Deixei marinando por cerca de 30 minutos.

Pré-aqueci o forno em temperatura média-baixa, arrumei as sobrecoxas em uma travessa e joguei a marinada por cima. Como sou, digamos, beeem medrosa com relação a tempo de forno, principalmente com carnes (na verdade, nunca assei carnes antes! hahaha), assei por 30 minutos em forno médio-baixo. Como as sobrecoxas ainda estavam branquinhas, aumentei para fogo médio e deixei até dourar. Ficou no forno cerca de 1 hora, tempo total.

O resultado foi, tirando o fato de que faltou um pouquinho de sal (já imaginava... snif...), delicioso! Fiquei orgulhosa de mim! hahaha

Agora sei que fazer frango assado não é nenhum bicho de sete cabeças... rsrs... e posso variar nos temperinhos, oras! O único problema é que, como eu disse, são quatro sobrecoxas... hã... será que alguém me ajuda?